UFC Vegas 38: Maiores strikers brasileiros do UFC, Marreta e Walker fazem luta apática

O UFC Vegas 38 (UFC Fight Night 193) colocou frente a frente dois dos brasileiros empolgantes strikers do UFC no momento: Thiago Marreta e Johnny Walker. Por decisão unânime (48-47, 48-47, 48-47), Thiago Santos (22-9-0) venceu Johnny Walker (18-6-0) em uma luta bastante apertada e frustrante em certos momentos. Imaginava-se uma luta rápida, encerrada talvez por um nocaute. Na transmissão oficial, os comentaristas já falavam na expectativa de uma luta rápida, sem possibilidade de ir para o quinto round. Ledo engano. No segunda luta principal da noite, apesar de termos visto Kyle Daukaus finalizar Kevin Holland ainda no primeiro round, a luta terminou sem resultado, após constatar que Holland havia sido nocauteado após um choque acidental de cabeças.


Com mais 6 brasileiros no card, o evento foi especial para Bethe Correia que fez sua última luta pela organização, encerrando uma carreira de 9 anos de MMA, dos quais 8 no UFC. Ao longo desses anos Bethe chegou a disputar o cinturão de sua divisão com Ronda Rousey, em uma luta memorável no Brasil, no UFC 190.


Card principal


Thiago Santos vs. Johnny Walker

Categoria: Meio-Pesado

Por decisão unânime (48-47, 48-47, 48-47), Thiago Santos (22-9-0) venceu Johnny Walker (18-6-0) em uma luta bastante apertada e frustrante em certos momentos. Imaginava-se uma luta rápida, encerrada talvez por um nocaute. Na transmissão oficial, os comentaristas já falavam na expectativa de uma luta rápida, sem possibilidade de ir para o quinto round. Ledo engano.


O round inicial foi pouco intenso. Strikers natos, ambos foram mais cuidadosos nos ataques, o que fez com que o round fosse muito parelho, de difícil pontuação. O segundo round foi igualmente decepcionante. Marreta continuou focando nos low-kicks, possivelmente pra reduzir a movimentação de Walker. Os golpes mais contundentes inclusive, vieram dos chutes de Marreta. No round seguinte, Marreta foi superior também no terceiro round. Apesar do pouco volume de golpes, em termos de contundência Marreta foi superior. No intervalo do round, Walker recebeu o chamado de Kavanagh, de que precisava ganhar os dois rounds seguintes e ele de fato voltou mais ativo para o quarto round, se saindo ligeiramente no volume de golpes desferidos. Infelizmente o ritmo da luta não mudou no round final. Ambos foram muito cautelosos nos ataques, fazendo com que o último round fosse o mais equilibrado da luta.

Kevin Holland vs. Kyle Daukaus

Categoria: Médio


O resultado do co-main event foi polêmico. Apesar Kyle Daukaus (10-2-0) ter finalizado Kevin Holland (21-7-0), a luta foi declarada sem resultado após constatar que Holland havia sido “nocauteado” por uma cabeçada acidental pouco antes de ser finalizado por estrangulamento.

Alex Oliveira vs. Niko Price

Categoria: Meio-Médio

Em uma luta de três rounds completos, Niko Price (15-5-0) venceu Alex “Cowboy” Oliveira (22-11-1) por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28). O brasileiro agora acumula a terceira derrota consecutiva na organização.

A luta em sí foi empolgante. O round inicial foi apertado. Cowboy estava bem em pé, mas Niko se saiu melhor após conseguir derrubar o brasileiro e cair em uma posição favorável. Porém, ele foi pouco contundente no chão, o que pode pesar na pontuação dos árbitros. Cowboy fez um bom trabalho no segundo round. Mais rápido, ele mostrou não só uma boa esquiva mas uma boa trocação. Após tentar pressionar Niko no chão, Cowboy quase chegou a se complicar, mas o somatório do round contou a seu favor. O clima da luta ficou mais intenso no round final, com ambos mais cansados. Infelizmente, Niko foi mais consistente na trocação em pé. Exausto, Cowboy passou boa parte do terceiro round recuando e ainda foi dominado no chão, nos minutos finais.


Misha Cirkunov vs. Krzysztof Jotko

Categoria: Médio

Em uma luta com pontuação questionável, Krzysztof Jotko (23-5-0) venceu Misha Cirkunov (15-7-0) por decisão dividida 29-28, 28-29, 29-28).


O round inicial bastante parelho, com um volume de golpes quase igual de ambos. Porém, vimos uma ligeira vantagem para Jotko. O segundo round continuou bastante equilibrado, mas novamente Jotko se saiu melhor, em uma visão geral. Ele atacou mais, foi melhor na movimentação pelo octógono e alguns momentos conseguiu combinar boa sequências de golpes em Cirkunov, que não soube aproveitar sua vantagem no chão. Em desvantagem na luta, finalmente no round final, Cirkunov procurou explorar mais seu jogo afiado de chão, mas sem sucesso. Talvez Cirkunov tivesse insistido nessa estratégia ainda no começo da luta o resultado poderia ter sido diferente. Durante o round, a luta chegou a ser interrompida após um dedo de Jotko “aparentemente” ter acertado o olho de Cirkunov. Jotko chegou a gritar para Herb Dean que seu adversário estava mentindo para descansar.


Alexander Hernandez vs. Mike Breeden

Categoria: Leve


De forma contundente, Alexander Hernandez (13-4-0), o favorito para a luta, nocauteou Mike Breeden (10-4-0) ainda no inicio do primeiro round (1min e 20 segs). A luta começou em um ritmo intenso, com ambos se atacando de forma intensa, mas foi Hernandez quem levou a melhor na trocação. Em um determinado momento Breeden chegou a perder o protetor bocal, antes de ser golpeado na cabeça.


Em sua última luta, Alexander Hernandez foi derrotado pelo brasileiro Thiago Moises, por decisão unânime no UFC Fight Night: Rozenstruik vs. Gane.

Por Silvio e Flavio Doria