UFC Fight Island 3: Minotouro faz sua última apresentação no UFC

O UFC Fight Island 3, foi o fim de uma sequência de três eventos na Yas Island (em Abu Dhabi, nos Emirados Arabes), mas também o fim um dos maiores nomes do esporte. Antonio Rogério Nogueira. Little Nog, como é conhecido (ele é o irmão mais novo de outra lenda do esporte, Rodrigo Nogueiro, o Minotauro), tem em seu cartel memoráveis combates nas duas maiores organizações do MMA, no UFC e no Pride. Nogueira já havia lutado em duas ocasiões com Shogun, no GP Pride, em 2005, e no UFC 190, em 2015. Em ambas as lutas Shogun havia vencido e foram duas verdadeiras guerras. E dessa vez não foi diferente, foram três rounds completos de uma trocação franca entre os dois. Shogun saiu vencedor, mas o legado de Nogueira continuou intacto.


Na luta principal, vimos outra batalha indo para a decisão dos árbitros. Robert Whittaker (21-5-0) venceu Darren Till (18-3-1) por decisão unânime (48-47, 48-47, 48-47). Outras lutas do card principal que merecem menção. A primeira foi a estreia de Alexander Gustafsson na divisão dos pesados. Fabrício Werdum conseguiu finalizar de forma rápida Gustafsson ao levo-lo pro chão ainda nos minutos iniciais do primeiro round. A segunda, foi a luta entre Carla Esparza e a brasileira Marina Rodriguez. Em uma vitória por decisão dividida (29-28, 28-29, 30-27), Carla Esparza superou Rodriguez e se consolidou como nome forte para enfrentar a atual campeã da divisão palha (do feminino), Zhang Weili.


Card principal

Robert Whittaker vs. Darren Till

Categoria: Médios

Robert Whittaker vence Darren Till por decisão unânime (48-47, 48-47, 48-47)

Em uma luta de cinco rounds completos, Robert Whittaker (21-5-0) venceu Darren Till (18-3-1) por decisão unânime (48-47, 48-47, 48-47). O primeiro round foi muito parelho, com um volume parecido de ambas as partes. Porém, vimos ligeira vantagem para Whittaker. Whittaker saiu em vantagem do segundo round ao conseguir um knock-down sobre Till. Além disso, o neo-zelandês foi superior também em volume de golpes desferidos. O terceiro round foi o mais “morno”, sem um vitorioso mais claro. Ainda continuamos a ver vantagem de Whittaker no quarto round, ainda superior na parte em pé. Nada de novo no round final. Whittaker continuou melhor em pé. Porém, o neo-zelandês foi acertado por um golpe, que acabou provocando um corte profundo em sua cabeça.


Maurício Rua vs. Antônio Rogério Nogueira

Categoria: Meio-Médio

Maurício Rua vence Antônio Rogério Nogueira por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)

Em uma luta bastante apertada, Maurício Rua (27-11-1) venceu Antônio Rogério Nogueira (23-10-0) no terceiro encontro entre ambos por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28). Nas duas vezes que se enfrentaram, no GP Pride, em 2005, e no UFC 190, em 2015, o paranaense levou a melhor.


O primeiro round foi bastante apertado, porém vimos uma ligeira vantagem para Shogun que buscou mais a luta. Porém no final ambos deram início a uma trocação franca, onde aparentemente Rogério foi melhor. Cordeiro, o corner de Shogun, teve que pedir a ele para fugir de uma trocação mais franca com Rogério, dado seu melhor boxing. O segundo round, mais uma vez foi apertado. Rogério foi superior em volume de golpes, porém Shogun conseguiu mais golpes significativos. O round final foi o mais parelho, com uma ligeira vantagem para Shogun que dessa vez esteve melhor na trocação em pé e, principalmente no chão, onde foi dominante. Essa foi uma luta importante para ambos os lados, mas principalmente para Rogério que encerrou com essa luta sua carreira no MMA profissional.


Fabrício Werdum vs. Alexander Gustafsson

Categoria: Pesado

Fabrício Werdum vence Alexander Gustafsson por finalização no R1

Em uma luta rápida, Fabrício Werdum (19-6-0) finalizou Alexander Gustafsson (23-10-1) ainda no primeiro round Werdum conseguiu derrubar Gustafsson e, depois de um grande esforço, conseguiu pegar o braço do sueco, finalizando-o. Gustafsson acumula agora três derrotas consecutivas, porém a primeira na divisão dos pesados. Para Werdum foi uma importante vitória, já que o brasileiro vinha de duas derrotas consecutivas.


Carla Esparza vs. Marina Rodriguez

Categoria: Palha (Feminino)

Carla Esparza vence Marina Rodriguez por decisão dividida (29-28, 28-29, 30-27)

Em uma vitória por decisão dividida (29-28, 28-29, 30-27), Carla Esparza (18-6-0) superou a brasileira Marina Rodriguez (12-0-2). No primeiro round, Marina Rodriguez cedeu logo de cara ao perigoso jogo de chão de Carla Esparza, sendo derrubada e dominada por boa parte do round. No final do round, porém foi a vez da brasileira mostrar suas skills. Apesar de pouco tempo em ataque, Rodriguez foi mais contundente em nossa visão, o que lhe garantiu o round. No segundo round, Esparza ficou mais tempo sob controle da luta, no chão, porém atacou pouco a brasileira, que mesmo por baixo conseguiu um maior número de golpes significativos. No round final, Esparza manteve sua estratégia de forçar a luta no chão, porém dessa vez ela foi mais efetiva, desferindo mais golpes na brasileira.


Paul Craig vs. Gadzhimurad Antigulov

Categoria: Meio-Médio

Paul Craig vence Gadzhimurad Antigulov por finalização no R1

Em mais uma luta de um round no card principal, Paul Craig (13-4-1) venceu Gadzhimurad Antigulov (20-7-0) por finalização. Craig foi derrubado em um single lag, mas conseguiu se recuperar e pegou o russo em um triângulo, dificil de encaixar, mas depois de alguns golpes conseguiu a finalização.


Alex “Cowboy” Oliveira vs. Peter Sobotta

Categoria: Meio-Médio

Alex “Cowboy” Oliveira vence Peter Sobotta por decisão unânime (30-27x3)

Mostrando um ótimo preparo, Alex “Cowboy” Oliveira (22-8-1) venceu Peter Sobotta (17-7-1) sem grandes dificuldades. Alex “Cowboy” fez um bom primeiro round. Não se expos muito e explorou bastante os chutes altos e frontais (na altura do abdomen). Em um deles, Sobotta claramente sentiu e deixou isso bem evidente aos árbitros de mesa. Alex “Cowboy” continuou muito bem no segundo round, mostrando boa movimentação e bons chutes (um deles levou Sobotta a knock-down). Inclusive ele esteve mais solto e confiante no round. Com ampla margem na luta, “Cowboy” fez um round mais comedido, sem tomar riscos, e mesmo assim ainda foi superior à Sobotta, mostrando inclusive boa defesa de queda. Ao final, os árbitros deram vitória ao brasileiro por decisão unânime (30-27, 30-27, 30-27) .


Khamzat Chimaev vs. Rhys McKee

Categoria: Meio-Médio

Em uma luta rápida, Khamzat Chimaev (8-0-0) manteve sua invencibilidade ao derrotar de forma contundente o inglês Rhys McKee (10-3-1) ainda no primeiro round. Chimaev começou o primeiro round já cinturando McKee e levando-o ao chão, onde a luta permaneceu por boa parte do round. Foram várias tentativas de estrangulamento e golpes contundentes até que o árbitro encerra-se a luta por nocaute técnico. Impressionou o fato de esta ser a segunda luta de Chimaev no UFC em menos de 1 mês!


Por Silvio e Flavio Doria

Pós-Luta / Post-Fight

Nosso objetivo é trazer a nossos leitores reportagens e análises de qualidade, além de coberturas play-by-play de eventos do mundo do MMA e do Boxe. Trabalho desenvolvido por Silvio e Flavio Doria (registro de jornalistas: MTB 0082740/SP e MTB 0080216/SP, respectivamente), ambos membros da MMA Journalists Association. 

PosLuta.com | Copyright © 2019 | Todos os direitos reservados.