UFC 227: Cejudo coloca um fim ao reinado de Mighty Mouse

Atualizado: 24 de Ago de 2018

Em uma noite para entrar na história, vimos o desfecho de uma das maiores rivalidades do UFC hoje, entre T.J. Dillashaw e Cody Garbrandt (e todo time da Alpha Male). Dillashaw provou que sua primeira vitória contra Garbrandt não foi por acaso e atropelou o rival ainda no primeiro round e manteve o cinturão dos Galos. Na luta anterior outro desfecho para entrar para a história. Em outra revanche, Henry Cejudo pos fim a um reinado de mais de 6 anos de Demetrius "Mighty Mouse" como campeão dos moscas. Mighty Mouse havia, com sucesso, defendido seu cinturão inacreditáveis 12 vezes. Independente do que acontecer agora com Mighty Mouse no futuro, ele definitivamente entrará para a história da organização. Quem sabe quando veremos alguém defender por tantas vezes um cinturão no futuro? Também foi uma excelente noite para os brasileiros. Dos 6 presentes no card, apenas Polyana Viana saiu derrotada. Ela no entanto, ainda tem uma carreira promissora na organização, ainda tem muito o que mostrar na divisão palha.


Card Principal


T.J. Dillashaw (vencedor; nocaute técnico; 1R) vs. Cody Garbrandt

Categoria: Galo

T.J. Dillashaw manteve o cinturão dos Galos

Em uma luta sensacional, T.J. Dillashaw venceu (e manteve seu cinturão dos galos) Cody Garbrandt ainda no primeiro round. Dillashaw começou atrás na luta, mas logo conseguiu um knock-down sobre Garbrandt. A partir daí só deu Dillashaw. Foi uma sequência avassaladora de golpes contundentes sobre Garbrandt que tentou resistir de todo jeito possível. Garbrandt estava totalmente desorientado.


Com a vitória, Dillashaw se manteve como detentor do cinturão peso Galo do UFC, cinturão conquistado do próprio arqui-rival. Garbrandt havia conquistado o cinturão dos galos ao vencer Dominick Cruz por decisão unânime no UFC 207. Em sequência ele enfrentou e perdeu (sua primeira derrota na carreira) para TJ Dillashaw por nocaute no UFC 217, em uma luta emocionante.


A disputa entre ambos deixou de ser apenas pelo cinturão e tornou-se pessoal. Dillashaw havia abandonado o time que o formou, a Alpha Male para treinar com Duane Ludwig, que também havia deixado a equipe pouco antes. A saída repentina gerou atrito na equipe que o acusava de traição. O clima se acirrou ainda mais durante a edição do TUF 25 (The Ultimate Fighter: Redemption) que colocou frente a frente os times de Garbrandt e Dillashaw. Os dois quase chegaram às vias de fato durante as gravações.


Essa revanche parece ter colocado um fim de fato na disputa entre os dois. Não resta mais dúvida de quem é o melhor entre os dois.



Demetrious Johnson vs. Henry Cejudo (vencedor; decisão dividida)

Categoria: Mosca

Henry Cejudo é o novo detentor do cinturão dos Moscas

O primeiro round começou de forma estranha. Cejudo parecia não ter firmeza nenhuma no tornozelo esquerdo, inclusive chegou a pisar em falso duas vezes, mas logo se recuperou. O restante do round foi marcado por bastante estudo de ambos, com momentos para ambos os lados. Ainda assim Johnson saiu com ligeira vantagem no round inicial. No segundo round, Cejudo se recuperou e conseguiu mostrar um round melhor, empatando a luta na nossa contagem. Na sequência Johson levou a melhor. Impressionante a rapidez com que Johson se recuperou das quedas de Cejudo. Ele também mostrou maior contundência nos golpes, chegando até o cortar o rosto de Cejudo. No quarto round demos vitória para Cejudo. Além de ter passado boa parte do round no chão, por cima e pressionando (ele chegou até a apresentar um sangramento no rosto) de Johnson, conseguiu ainda acertar bons golpes no campeão no começo do round. O quinto round se iniciou com um empate na nossa contagem. Cejudo fez outro bom round. Além de dominar o centro do octogono por todo o round, conseguiu derrubar o campeão duas vezes. Johson passou o round se defendendo. Ao final, os arbitros de mesa deram vitória por decisão dividida (48-47, 47-48, 48-47) a Henry Cejudo.


Cejudo conseguiu algo impensavel, destronou o maior campeão de todos os tempos do peso mosca, um feito que tão cedo não imaginava-se possível. O próprio Cejudo já havia sido derrotado por Johnson dois anos atrás, em uma luta fácil para o campeão.


Cub Swanson vs. Renato Moicano (vencedor; finalização; 1R)

Categoria: Pena

Moicano fez um round avassalador! Cub Swanson começou muito bem na luta, Moicano estava a principio mais comedido, estudando Swanson, até que tudo mudou por volta do 3min de luta. Depois de um knock-down, obtido com um jab certeiro no queixo de Swanson, Moicano deu inicio a uma sequência de golpes, seguida de uma queda, que culminou em um mata-leão, levando Swanson a dar o tap-out! Foi uma excelente vitória para Moicano que agora fica mais próximo de uma disputa de cinturão.


Polyana Viana vs. JJ Aldrich

Categoria: Palha

Na principal luta feminina da noite, triste resultado para o Brasil. Apatica durante toda a luta, a brasileira Polyana Viana fez um embate de três rounds completos com a atleta da casa JJ Aldrich. A norte-americana conseguiu levar vantagem em todos os rounds, não dando espaço para Polyana, que chegou ao terceiro round sem gás nenhum. Ao final, os arbitros deram vitória por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-27) a JJ Aldrich.


Thiago Santos (vencedor; decisão unânime) vs. Kevin Holland

Categoria: Médios

O primeiro round começou em um ritmo bastante forte. Marreta impôs uma série de golpes contundentes sobre Holland depois de derruba-lo. Estranhamente, Holland parecia bem animado e confiante, mesmo levando diversas sequências de cotoveladas brutais. No segundo round, quem levou a melhor foi Holland na nossa contagem. Marreta até começou melhor, mas deixou Holland crescer quando foi derrubado. No terceiro round o domínio foi total de Marreta. Impressionante a capacidade de absorção de golpes de Holland. Marreta o atacava com bastante contundência todos os rounds e mesmo assim Holland parecia se divertir na luta. Ao final, os arbitros deram vitória para Marreta por decisão unânime.


Card Preliminar


Na primeira luta da noite, Marlon Vera, vindo de duas derrotas consecutivas, venceu por nocaute técnico o chinês Wuliji Buren no segundo round. Buren vinha melhor, no primeiro round saiu em vantangem, mostrando um volume de jogo em pé maior. No segundo round, Vera acertou um belo uppercut de esquerda no corpo de Buren levando-o a nocaute! Vera estava melhora na luta, mais contundente na trocação. Ótima vitória para Vera, que agora se mantém vivo na organização.


Na primeira luta feminina da noite, a norte-americana Danielle Taylor enfrentou a chinesa Zhang Weili. A chinesa Weili fez um ótimo primeiro round. Nas estatisticas fornecidas pelo UFC ela mostrou um volume de trocação 4x maior que o da norte-americana. Ela também foi melhor na contudência dos golpes e até conseguiu boas quedas. No segundo round, Taylor cresceu na luta, mas no último round a chinesa se recuperou. Taylor tentou sem sucesso encurtar a distância e achar uma brecha no jogo da chinesa, mas sem sucesso. Weili, no entanto foi superior, conseguiu controlar bem a distância e levou a luta por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28). A comunidade chinesa é bem grande na California. Isso deve explicar a presença dos chineses no card desse UFC 227. Detalhe, Bruce Lee nasceu na California.


Em seguida, lutaram Jose Torres e Alex Perez. Perez começou o round num ritmo bastante agressivo. Olhando para as estatisticas, impressiona o volume superior de golpes de Perez, quase 5x maior! No último minuto, a agressividade deu resultado, e Torres foi nocauteado! Uma vitória impressionante contra um adversário que vinha em uma ótima fase, um possivel (agora não mais) desafiante de Demetrious Johnson.


Primeiro brasileiro a lutar na noite, Sheymon Moraes enfrentou o atleta da casa e estreiante no UFC, Matt Sayles. A luta foi muito parelha no primeiro round, mas vimos ligeira vantagem para Moraes que conectou os melhores golpes. Sayles no entanto dominou mais o centro do octógono. No segundo round, a vantagem de Moraes se ampliou. Chamou a atenção o dedo no olho de Moraes em Sayles. O arbitro não notou e Sayles passou um aperto no último min por conta do incomodo no olho. Matt Sayles foi melhor nesse round, impondo mais seu ritmo e até mostrando maior contundência no último rond. Ao final, na decisão, vitória para Sheymon Moraes por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28).


Em outra luta de brasileiro, Ricardo Ramos, o Carcacinha, enfrentou o sul-coreano Kyung Ho Kang. O primeiro round foi bem parelho, com bastante movimentação de ambos os lados. Vimos ligeira vantagem para Kyung Ho Kang. No segundo, Ramos começou bem, com maior contundência nos golpes. No entanto, no meio do round recebeu uma rasteira, caindo no chão, com o sul-coreano por cima. Pouco depois, Ramos quase o pegou numa chave de calcanhar, sem sucesso Kyung Ho Kang foi melhor no último round, em volume de jogo e contundência. Além isso mostou uma boa movimentação ao longo de todo o round. Ao final, decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28) para Ricardo Ramos.


Na penultima luta do card preliminar foi a vez de Ricky Simon e Montel Jackson, dois norte-americanos. Jackson desenvolveu um melhor round, ma nada excepcional. No round seguinte, Simon , dessa vez se mostrou mais ativo durante o round, quase inclusive conseguiu uma finalização no final do round. Depois de levar um aperto no começo do round, Simon cresceu na luta. Derrubou um cansado Jackson 4 vezes e quase conseguiu finalizar em uma guilhotina mal aplicada. Na decisão dos arbitros, Ricky Simon venceu por decisão unânime (30-27, 30-27, 29-28).


Na última luta do card preliminar, Pedro Munhoz encarou Brett Johns. Vimos um ótimo primeiro round, bem aberto, com ambos os lutadores partindo pra cima na trocação. No entanto, levou a vantagem no Round, Munhoz na nossa contagem. Munhoz abriu uma boa vantagem no segundo round. Depois de uma boa sequência de golpes que fizeram Johns quase ser nocauteado, Munhoz tentou duas guilhotinas sem sucesso. Além disso os chutes de Munhoz castigaram o galês. No último round, Munhoz manteve sua ampla vantagem sobre Johns. O galês inclusive chegou a acusar um poderoso golpe na região do estômago. Ao invés de seguir na trocação, Munhoz achou mais prudente buscar uma finalização sem sucesso. Munhoz saiu com uma vitõria por decisão unânime (30-26, 29-28, 29-27). "Ele foi um dos únicos a defender minha guilhotina, merece aplausous por isso" disse Munhoz ainda no octogono.


Silvio Doria


Pós-Luta / Post-Fight

Nosso objetivo é trazer a nossos leitores reportagens e análises de qualidade, além de coberturas play-by-play de eventos do mundo do MMA e do Boxe. Trabalho desenvolvido por Silvio e Flavio Doria (registro de jornalistas: MTB 0082740/SP e MTB 0080216/SP, respectivamente), ambos membros da MMA Journalists Association. 

PosLuta.com | Copyright © 2019 | Todos os direitos reservados.