The New York Times analisa contexto da luta entre Diaz e Masvidal

O artigo abaixo foi escrito por Kevin Draper e publicado originalmente na edição impressa do The New York Times ontem (01/11).


Nate Diaz, que luta neste fim de semana no Madison Square Garden, tem um dos carteis mais irregulares do UFC. A promoção não é tão profunda quando se trata de estrelas para o futuro.


Nate Diaz chegou meia hora atrasado a um salão de hotel de Midtown Manhattan na quinta-feira à tarde, sentou-se na frente de uma multidão de repórteres e começou a conversar sobre qualquer coisa, menos sua luta no sábado contra Jorge Masvidal no Madison Square Garden.


Ele ficou animado discutindo seu veganismo (“Os veganos ficam bravos, porque eu não sou vegano”.), Seu treinamento de triatlo (“É outro mundo. Esses caras não são brincadeiras”.) E sua relação de amor e ódio com artes marciais mistas ("Não gosto de não lutar. É luta autodestrutiva e é autodestrutiva não lutar. Matar ou ser morto.").


Foi vintage Diaz, uma dos maiores nomes hoje no Ultimate Fighting Championship, que deixou claro que há muitos outros lugares em que ele poderia estar além do octógono na noite de sábado.


"Não preciso lutar novamente", disse Diaz, que tem 34 anos. "Não precisava lutar há muito tempo, mas o que vou fazer?"


O UFC chega ao Madison Square Garden em um momento interessante para a organização. Um alqueire de estrelas como Diaz, Daniel Cormier e Ronda Rousey estão muito mais perto do fim de suas carreiras do que no início, e os lutadores que estão por trás deles não têm a mesma potência. E depois há Conor McGregor, o elefante em todos os cômodos.


McGregor se aposentou em março, pela segunda vez, apenas para realizar uma entrevista coletiva em Moscou na semana passada para anunciar que voltaria a lutar no início de 2020. McGregor lutou apenas uma vez no octógono desde 2016, uma derrota para Khabib Nurmagomedov no outono passado ( ele também lutou contra Floyd Mayweather Jr. em 2017). McGregor, natural da Irlanda, sem dúvida continua sendo a maior estrela da UFC, mas não está claro se ele está perto de seu melhor lutador de peso por peso.


Vários fatores externos, incluindo problemas legais, podem ter levado a um retorno potencial à McGregor.


Ele também precisa de um oponente. Dana White, presidente do UFC, disse quarta-feira que estava mirando Donald (Cowboy) Cerrone para uma luta com McGregor em janeiro em Las Vegas, mas alertou que "nada está nem perto de ser feito".


O economics do esporte de combate é notoriamente volátil. Sem uma temporada consistente e enormes quantidades de receita provenientes de compras com pay-per-view, o dinheiro oscila para cima e para baixo com base em algumas noites por ano.


A empresa controladora da UFC, Endeavor, se isolou dessa volatilidade nos últimos 18 meses por meio de seus acordos com a ESPN. Primeiro, a maioria dos cards de nível inferior foi colocada na televisão a cabo e no serviço de streaming ESPN + da empresa e, posteriormente, concordou que a ESPN vendesse exclusivamente suas lutas de pay-per-view nos Estados Unidos.


Os contratos garantiram à Endeavor um fluxo de receita estável, pois poderiam mostrar potenciais investidores antes da oferta pública inicial (IPO) planejada para este ano. Mas depois de um atraso e a redução do preço estimado das ações, a Endeavor cancelou o IPO. um dia antes das ações começarem a ser negociadas.


Endeavour e o UFC querem contar uma história sobre crescimento, e nesta semana em Nova York, o contador de histórias mais fascinante está mais interessado em entrar em guerra com a UFC do que com seu oponente real.


Diaz anunciou na semana passada que havia testado positivo para uma substância proibida e não lutaria no sábado. Mas o UFC e a Associação Antidopagem dos Estados Unidos esclareceu rapidamente que, embora Diaz tenha testado positivo para um nível elevado de uma substância proibida, foi por causa de um suplemento contaminado e ele não cometeu uma violação antidopagem.


Se ele não cometeu uma violação de doping, por que Diaz foi a público?


"Isso me faz perder o sono à noite", disse Diaz na quinta-feira. "Então, tipo, isso é guerra e isso não é justo. Não estou dormindo. O UFC está dormindo. Jorge Masvidal está dormindo.


Depois de dizer profanamente que queria mudar isso, Diaz continuou: “Ninguém está dormindo. Woot woot woot. Briga. Agora ninguém pode dormir e eu estava na cama sorrindo.


Masvidal, o oponente de Diaz, traz seu próprio circo para a luta. O presidente Trump deve comparecer, uma semana depois de ter sido vaiado com força durante um jogo da World Series. Masvidal é mais um dentre os vários lutadores do UFC que apóiam vocalmente o presidente.


Masvidal disse que "o dinheiro que ele ganhou, os obstáculos que ele conquistou" tornaram Trump admirável, "não importa quais sejam suas opiniões políticas".


Masvidal, descendente de cubanos e peruanos, reconheceu que seu apoio a Trump poderia irritar muitos de seus fãs. "Mas não quero entrar muito em política", ele disse. "Muita da minha comunidade latina pode ficar chateada comigo."


Existe uma associação de longa data entre os Trump e o UFC. No início dos anos 2000, várias lutas foram realizadas no Trump Taj Mahal, que foi fechado em Atlantic City, em Nova York. Os filhos do presidente Donald Trump Jr. e Eric Trump também participaram de uma edição do UFC em Newark em agosto.


É uma situação estranha, então. A reação da multidão, não importa qual seja, e qualquer coisa que o presidente diga ou faça será a maior história da luta de sábado à noite. O segundo maior poderia muito bem ser McGregor. Dwayne Johnson, o ator que lutou sob o apelido de The Rock, planeja apresentar um cinturão especial ao vencedor de Diaz-Masvidal.


E, apesar de não haver brigas de títulos ou nomes além de Diaz, o card do UFC 244 será bastante empolgante, repleto de bons lutadores. Os fãs de MMA estão animados para assistir. O evento custará US$60 pelo pay-per-view, e há motivos para acreditar que poderia vender bem.


Mas e se os presentes na platéia, ou twitts da Irlanda (McGregor), ofuscam os que lutam no octógono, qual seria o custo?


Tradução da publicação do The New York Times publicado ontem.

Pós-Luta / Post-Fight

Nosso objetivo é trazer a nossos leitores reportagens e análises de qualidade, além de coberturas play-by-play de eventos do mundo do MMA e do Boxe. Trabalho desenvolvido por Silvio e Flavio Doria (registro de jornalistas: MTB 0082740/SP e MTB 0080216/SP, respectivamente), ambos membros da MMA Journalists Association. 

PosLuta.com | Copyright © 2019 | Todos os direitos reservados.